Estimular estudantes, especialmente da educação básica, para as carreiras científicas, qualificar professores para o ensino por investigação científica e fortalecer a interação entre instituições de educação superior e escolas de ensino fundamental e médio. São esses alguns dos objetivos do Programa Ciência na Escola que serviram de base para os projetos que o Instituto Federal do Norte de Minas (IFNMG), a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) submeteram a uma chamada pública do Ministério da Educação.
 
O Programa Ciência na Escola (PCE) envolve um compromisso pelo aprimoramento do ensino de ciências na educação por parte do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Ministério da Educação (MEC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
 
A Chamada Pública teve por objeto selecionar propostas técnicas, submetidas por redes de instituições, para a implementação de experiências relativas ao Programa Ciência na Escola. As propostas aprovadas serão financiadas com recursos de capital, custeio e pagamento de bolsas, na proporção de 10 %, 60% e 30% respectivamente.
 
Servidores do IFNMG, do IFTM e da UFTM  foram apresentados ao Programa Ciência na Escola e aos projetos submetidos
 
 
Estimular estudantes, especialmente da educação básica, para as carreiras científicas, qualificar professores para o ensino por investigação científica e fortalecer a interação entre instituições de educação superior e escolas de ensino fundamental e médio. São esses alguns dos objetivos do Programa Ciência na Escola que serviram de base para os projetos que o Instituto Federal do Norte de Minas (IFNMG), a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) submeteram a uma chamada pública do Ministério da Educação.
 
O Programa Ciência na Escola (PCE) envolve um compromisso pelo aprimoramento do ensino de ciências na educação por parte do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Ministério da Educação (MEC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
 
A Chamada Pública teve por objeto selecionar propostas técnicas, submetidas por redes de instituições, para a implementação de experiências relativas ao Programa Ciência na Escola. As propostas aprovadas serão financiadas com recursos de capital, custeio e pagamento de bolsas, na proporção de 10 %, 60% e 30% respectivamente.
 
De acordo com o diretor-geral do Campus Arinos e proponente e articulador das parcerias, Elias Rodrigues,  o programa visa aprimorar a qualidade do ensino de ciências das escolas públicas brasileiras: "O objetivo é estimular alunos para as carreiras científicas, qualificar professores para o ensino por investigação científica e fortalecer a interação entre instituições de educação superior e escolas de ensino fundamental e médio"
 
Os objetivos do programa são: aprimorar o ensino de ciências nas escolas de educação básica; pror o ensino por investigação voltado à solução de problemas; intensificar a qualificação de professores da educação básica para o ensino de ciências; estimular o interesse dos alunos da educação básica pelas carreiras científicas; identificar jovens talentos para as ciências; fomentar a implementação de soluções inovadoras que contribuam para aprimorar o ensino e o aprendizado de ciências; incentivar o uso de novas tecnologias educacionais e novos métodos de ensino de ciências; fortalecer a interação entre escolas de educação básica, instituições de ensino superior, espaços de ciência e outras instituições de ciência, tecnologia e inovação; e democratizar o conhecimento e popularizar a ciência. Para isso, as três instituições contarão com um orçamento de 3 milhões de reais, sendo um milhão para cada instituição.
 
Os projetos terão dois anos para serem executados. O Governo Federal vai liberar parte dos recursos para que a partir de janeiro as instituições já iniciem os trabalhos. Está marcado para o dia 10 de dezembro um encontro em Brasília-DF, trata-se do Seminário Marco Zero, a fim de oficializar o início dos projetos. Entre os convidados, o evento vai contar com a participação ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.